Shimano x SRAM – Qual é melhor?

“Qual comprar? Shimano ou SRAM?”

E ai galerinha, tudo na paz?

Várias pessoas quando vão comprar câmbio, corrente ou uma relação completa me pedem dicas de qual é o melhor, e sempre vem aquela famosa pergunta… “Qual é melhor? Shimano ou SRAM?”

Pensando nisso, eu decidi colocar aqui informações e os principais pontos de cada uma dessas duas fabricantes que dão o que falar entre os ciclistas.

Antes de começar a mostrar os comparativos, vou falar um pouco sobre cada uma.

Shimano

Embora ela tenha sido fundada em 1921 pelo japonês Shozaburo Shimano a produção de peças para bicicletas só começou em meados de 1956. Em 1984 lança um sistema que indexava as marchas, chamado SIS. Poucos anos depois, lançou o sistema Shimano Pedaling Dynamics (SPD), sistema de pedal de encaixe que se prende a sapatilhas especiais.

No começo da década de 90 a empresa já era uma das líderes no seguimento ciclístico.

SRAM

Já aqui temos uma não tão antiga quanto a anterior. Fundada em 1985, teve seu nome baseada em seus fundadores Scott, Ray e Sam. Hoje, no entanto está pelos quatro cantos do mundo e controla também outras marcas renomadas como a Rock Shox, Truvativ e Avid.

Linhas de transmissão de XC – SRAM

A empresa americana já se diferencia pelo fato de ter um projeto audacioso com pedivelas de coroa única, chegando a afirmar publicamente que nunca mais irão fabricar câmbios dianteiros para sua linha de ponta.

Linhas de transmissão de XC – Shimano

Vale ressaltar que XT Di2 e XTR Di2 são derivados das tradicionais, trazendo inclusive a mesma engenharia, diferenciando apenas pelo fato da linha Di2 (Digital Integrated Intelligence) são digitais. Não há cabos e o visor é digital.

Já que sabemos um pouquinho de cada uma dessas marcas, vamos ao que interessa!

COMPARATIVO

1- Linhas de entrada

  • Shimano: Altus, Acera e Alivio;
  • SRAM: X3, X4 e X5.

Shimano – Começando pela Altus que é um grupo básico e na sua última versão acabou trazendo tecnologia dos grupos posteriormente mencionados. Acera apresenta tecnologia Shadow*, o que para a linha é um fator muito importante. Alivio com Two Way Release* e outros detalhes – com opção de movimento central integrado – evoluiu muito em seu recente lançamento.

Os 3As (Altus, Acera e Alivio) da Shimano têm duas características: oferta de pedivela triplo e cassete com 9 cogs, ou seja, 27 marcas.

* “A Shimano posicionou o câmbio mais ‘para dentro’ – ou seja, mais perto da roda, diminuindo as chances de quebra por bater num obstáculo. O sistema é completamente diferente, com muito mais estabilidade da corrente, eliminando assim a possibilidade do câmbio bater no chainstay.” – Shimano Internacional

** Sistema dos passadores de marchas onde a alavanca menor possibilita trocas tanto com o dedo indicador (puxando) quanto com o polegar (empurrando).

SRAM – O grupo X3 é extremamente básico, não tendo nem pedivela da linha. Por mais que o câmbio traseiro aceite cassetes de 7v, 8v e 9v, os passadores só possuem trocas de 7 marchas fazendo com que o grupo seja de 21v. Por estes fatores o grupo não chega a ser uma linha de mountain bike em sí, sendo mais favorável para passeio.

O grupo X4 já trás um pouco mais de recursos, como por exemplo, a tecnologia Direct Route (Cabo chega por cima e não por trás). Porém, mesmo com esse recurso os passadores são de 24 velocidades.

Por último, o grupo X5 apresenta mudanças consideráveis e oferece peças mais robustas como: passadores e câmbios traseiros de 10v e até mesmo pedivela com movimento central integrado de 2 ou 3 coroas.

Resumo

Aqui é o único nível onde podemos traçar um paralelo direto entre Shimano x SRAM. Sendo assim:

– É de se esperar que o grupo Altus seja melhor que o X3 por oferecer um conjunto com 27 marchas contra 21 marchas do X3. Levando em consideração que seja adquirido o kit completo e , portanto, o passador de 7v.

– O grupo Acera ganha do X4 principalmente pelo fato de ter o conjunto traseiro de 8v. Além disso o grupo possui a tecnologia Shadow que é consideravelmente mais leve em relação ao X4.

– O SRAM X5 vence o alívio por oferecer um conjunto de 10v contra 9v da Shimano e também pela opção de um pedivela com coroa dupla, algo relevante nos tempos atuais.

2- Linhas intermediárias

  • Shimano: Deore e SLX;
  • SRAM: X7, X9, NX e GX.

Shimano – O grupo Deore tem evoluído bastante, principalmente por ter a tecnologia Shadow RD+ e opções de pedivela duplo.

O Grupo SLX é certamente a maior evidência da Shimano de transferir tecnologias das linhas superiores para as inferiores com o passar dos anos. Exemplo disso é o fato do grupo possuir características das linhas XT e XTR, além de oferecer conjuntos 1×11, 2×11 e 3×10 e um cassete 11-46.

SRAM – Aqui temos uma maior gama de grupos da linha intermediária em relação a Shimano.

Os grupos X7 e X9 oferecem pedivelas duplos e triplos, cassetes 11-36 e opções de passadores Grip Shift, tecnologia que divide opiniões exclusiva da SRAM, onde se muda a marcha torcendo um dispositivo no guidão. Ambos os grupos oferecem opção de câmbio traseiro bem como passadores próprios das transmissões de 9 velocidades.

Os mais recentes NX e GX são praticamente uma deixa da SRAM em relação a extinção dos câmbios dianteiros. Dá até para traçar um paralelo e dizer que NX está para X7 assim como GX está para X9. Os dois grupos oferecem apenas uma combinação de marchas (1×11) e com um único cassete (10-42).

Resumo

Olhando os grupos intermediários da Shimano e SRAM percebemos os esforços da SRAM para mostrar suas últimas linhas de cassetes NX e GX, ambos com mais de 40 dentes.

Já a Shimano, por mais que tenha inovado bastante também, deixou suas apostas nos grupos que já estão estabelecidos no mercado. O grupo SLX dá opções de pedivelas e marchas 1×11, 2×11 e 3×10 com cassetes 11-36 e 11-42.

Destaco que o NX cobre espaços deixados pela Shimano, como por exemplo o conjunto que apresenta uma relação custo-benefício bem melhor, principalmente por ter configuração 1×11 e cassete 11-42. O que faz com que seja um ponto positivo para a marca.

3- Linhas de ponta

  • Shimano: XT e Di2 e XTR e Di2;
  • SRAM: XX, X1, XX1 e XX1 Eagle.

Shimano – Aqui é o ápice da marca, principalmente pelo grupo permanecer no topo da marca desde que foram lançados e agora, está mais fantástica ainda por ter a versão eletrônica Di2.

O Grupo XTR tem superioridade no acabamento em relação ao XT, mas a engenharia é praticamente a mesma. Ambos os grupos são destinados para atletas de alta performance.

SRAM – Se tem uma coisa que a SRAM fez com essa linha é deixar mais evidente e explícito o fato de aposentar de vez o câmbio dianteiro.

A única linha a fabricar ainda cassetes 11-36 e pedivela 2-3 coroas é a XX. Ao mesmo tempo que a SRAM está elevando os novos grupos em relação aos mais “antigos” como NX com X7 e GX com X9, aqui no topo é o grupo X1 com XX. Estes grupos têm muitas semelhanças, mas a tendência é X1 assumir o posto da XX, linha com maior evolução para o mountain bike.

E quem está na liderança? Até pouco tempo era a XX1 com kit 10-42, sendo inclusive uma provável equivalente à Shimano XT.

Porém, chegou a sensacional linha XX1 Eagle, esta denominação (Eagle) também está presente na linha X01 (série para Downhill). Na XX1 possui um extraordinário sistema de velocidades 10-50 com 12 marchas.

Resumo

A SRAM tenta sair na frente e está “inclinando” a tendência ao seu favor com a extinção dos câmbios dianteiros, o que não vemos ainda nos grupos da Shimano que oferecem pedivelas duplos e triplos.

Observando profundamente a Shimano e SRAM não é possível comparar um grupo ao outro. Só um expert que utiliza os grupos que pode de fato dizer qual é o grupo destaque.

RESULTADO

Grupo de entrada:

Pelos recursos apresentados, quem leva a melhor é a Shimano. Por mais que a SRAM tenha vários pontos positivos com o X5, quem vai iniciar na modalidade buscar algo mais prático e acessível, e desta forma as linhas as Acera e Altud se destacam.

Vencedor – Shimano

Grupo intermediário:

A SRAM fez bem com grupo NX, fazendo com que preenche um espaço enorme deixado pela Shimano com grupo Deore, com cassete com mais de 40 dentes e com opções de pedivela com coroa única.

Todavia, a escassez na oferta de produtos da SRAM no Brasil e o fato das montadoras nacionais raramente usarem conjuntos SRAM em suas bikes a situação não é tão favorável.

Vencedor – Empate

Grupo de ponta:

Sabendo que são grupos destinados para atletas de alto nível e que são tecnologias superiores que eu já usei, o desempate aqui vai ser feito baseado em alguns critérios técnicos.

Tudo no grupo X1 é mais leve em relação ao XT (cassete, câmbio, passadores…) Além disso traz uma variação nos trocadores tradicionais que é o Grip Shift (sendo opcional, é claro)

Vencedor – SRAM

CONSIDERAÇÕES

Shimano leva vantagem sobre a SRAM nos grupos de entrada, principalmente por ser bem mais fácil ser encontrado no Brasil.

SRAM acerta com a criação das novas linhas (por exemplo a NX) e possui detalhes que deixam a Shimano pra trás nas linhas de ponta.

 

apoio de estruturação do conteúdo: Aventrilha

1 Comentário
  1. [* Shield plugin marked this comment as “0”. Reason: Human SPAM filter found “excelent” in “comment_content” *]
    olá muito bem gostei muito do tema abordado e esclarecido tirei minhas dúvidas parabéns pelo excelente trabalho

Deixe um comentário

Reset Password
preloader